terça-feira, 16 de abril de 2013

Polvorones de Naranja para Frida Kahlo




A minha convidada chegou a meio da tarde, resplandecente sob o sol, no seu estilo único e tão pessoal. As roupas coloridas, as tranças enfeitadas, a dor reprimida atrás do sorriso franco e a paixão a bailar-lhe nos olhos de cada vez que falava de Diego.



A bela e enigmática Frida, a original e carismática pintora mexicana, estava ali, vibrante e forte como a natureza. A tarde estava amena, a luz brilhante e ficámos no jardim a ver os micos correr sobre os fios do telefone, lá fora na rua. As borboletas enchem os canteiros e as libélulas fazem voos rasantes sobre a água. As andorinhas que nunca partem, cantam no beiral do alpendre.

Admirei o seu toucado e Frida ajudou-me a entrançar o cabelo com fitas e flores. Ataviadas de colares e pulseiras, comemos os polvorones de laranja, seus bolos favoritos desde os tempos de infância em que a mãe os fazia. Para beber, agua fresca de melancia, essa bebida tão mexicana. Ficámos a falar dos nossos amores e a trocar receitas  até ao sol se por e os morcegos virem esvoaçar em torno das nossas cabeças.






Ingredientes:
125 g de manteiga à temperatura ambiente
100 g de açúcar
1 gema de ovo
raspa e sumo de uma laranja
250 g de farinha
1 colher de chá de fermento

Bater a manteiga com o açúcar até obter uma mistura cremosa e homogénea. Acrescentar a gema e continuar a bater. Adicionar as raspa de laranja e o sumo coado, misturando bem. Por fim, envolver a farinha com o fermento. Levar a massa ao frigorífico (geladeira) durante uma hora. Estender a massa, com cerca de meio centímetro de altura e cortar bolachas redondas que se levam a cozer em forno aquecido a 200ºC. Retirar ainda louras e deixar arrefecer sobre um rack metálico. Os mais gulosos podem ainda polvilhá-las com açúcar em pó.





Frida Kahlo, a sua vida e a sua obra, tocam-me há longos anos, pelas suas imagens perturbadoras, transbordantes de dor, mas também de força e apego à vida. A paixão que a movia, pelos que amou, pela pintura, pela sua terra e pela cozinha é verdadeiramente inspiradora.

A frase que nos deixa na natureza morta tão cheia de cor que quase fantasiamos poder adivinhar a doçura das melancias, nessa obra do final da sua vida, numa fase tão cheia de sofrimento, é o espelho da mulher que Frida foi até ao fim.

Viva la Vida!

Com esta receita participo na iniciativa "Convidei para Jantar..." este mês dinamizado pela Guida, sob o tema Pintores.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

9 comentários:

  1. Adorei conhecer a tua convidada, Manuela!!! E que belas bolachinhas tu tinhas para as receber!!
    Que maravilha!!
    Beijinhos
    Mena.

    ResponderExcluir
  2. Uma maravilha Manuela!
    Gosto muito da tua convidada, adorei a apresentação das tuas bolachinhas!
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Também adoro Frida Kahlo :D E gostei muito dessas bolachinhas, que delícia :D

    Beijinhos e tem uma boa noite :D

    ResponderExcluir
  4. Não sei porquê mas esse quadro dessa senhora sempre me intrigou...as sobrancelhas unidas e o olhar quase que desligado sempre me fizeram perguntar: mas que raio estava ela a pensar ????Nunca vamos sber..Mas posso tentar adivinhar: estaria a lembrar se dos Polvorones de Naranja que tu lhe fizes te?
    Bjoka
    RIta

    ResponderExcluir
  5. Que delicia Manuela... Adorei a sugestão e a participação :-)

    ResponderExcluir
  6. Que lindas bolachinhas! E um quadro intrigante que não deixa ninguém indiferente.
    beijinhos
    http://sudelicia.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  7. Que sorte teve a Frida ;) devem ser deliciosas as tuas bolachas...

    ResponderExcluir
  8. Sinceramente nunca sei que bolachas gosto mais, vejo-as por aqui e vou pensando, "estas são muito boas, vou fazer", mas depois vejo outras e penso o mesmo :) vou ter dificulade em escolher, porque gosto demais de todas.
    Mas já tirei algumas receitas e depois de fazer publico :)
    Bjns
    Isabel

    ResponderExcluir